Bruxa

Na época medieval, a bruxa era considerada um ser sobrenatural de natureza demoníaca, ou pelos híbrida, (entre demónio e humano), pois acreditava-se ser nascida da relação entre um demónio e um humano. De acordo com o Malleus Maleficarum, uma demónio feminina denominada succubus poderia ter relações sexuais com um humano, ao abrigo das trevas nocturnas e sem que este se pudesse defender do ataque demoníaco. O succubus  recolhia assim o sémen de um homem tinha atacado durante o sono, e então usaria essa essência para engravidar outras mulheres. As crianças assim nascidas eram filhas do demónio, ou seja: já nasciam bruxas.

Outra explicação porem fundamentava também a existência da bruxa: essas podiam também não nascer bruxas, mas tornarem-se bruxas através de um pacto com o demónio. Nesse caso, a bruxa tornar-se-ia amante do diabo, e em troca de relações sexuais com o diabo , receberia os seus poderes. A uma concubina do diabo, ou prostituta do diabo, chamava-se por isso bruxa, e ela beneficiava do dom das trevas. Os poderes das bruxas, sejam eles quais forem, denominam-se: «dom das trevas», e assim como no I Livro de Coríntios  podemos ler quais são os 9 dons espirituais que vem do alto, ( de Deus), existem igualmente 6 dons das trevas, que vem dos demónios.

As bruxas eram conhecidas por lançarem poderosos malefícios causadores de devastações, calamidades, destruição de lares, sedução de pessoas inocentes que caiam em pecado,  etc; assim como por participarem em festividades e orgias com demónios e humanos,( Sabbat), ao passo que também por serem servas do Diabo e por isso representarem a profanação dos mandamentos de Deus neste mundo. Durante algum tempo, as Bruxas foram tidas como seres sobrenaturais, sendo que se fez a sobreposição da bruxa e os conceitos de Lamia e Sucubus.

Voltar