Altar de são Cipriano ©

Magias, encantamentos, magia branca, magia negra, ritos, conjuros, feitiçaria secular, conjurações, esconjurações, intercedências, invocações, rituais. Santeria, culto religioso, místico e espiritual aos santos.

 

Mestre Jorge; Mestre Daniel; Mestre Tiago; Mestre Paulo

 

 

Altar de são Cipriano e santa Maria Madalena - O caminho dos santos, Culto religioso aos santos; estatutos, fundação e constituição segundo «Manifesto Doutrinário», constante de registo em Oficio5244-MC ; averb. Reg. Nº 5847/2009 © .

 

atendimentoonline2

Veja aqui:

Trabalhos de Magia segundo saberes ocultos de s.Cipriano

Consulta gratuita:

e-mail: altar.cipriano@gmail.com

Tl: 925 709 899

altar_sao_cipriano_magia_negra_magia_branca_santeria_666

Altar são Cipriano © - Santeria – O caminho dos santos

Santuário sem fins lucrativos. Altar privado de culto religioso, místico, espiritual e esotérico.

Magia Negra, Magia Branca, Feitiços e rituais conforme saberes de São Cipriano.

 

altarCiprianoMagiaNegraMagiaBrancaFeiticariaBruxaria

 

 

 
Astrologia Babilónica

zodiaco_signos_horoscopo

 

A astrologia Babilónica era parte do culto religioso oficial.

 

Os astrólogos babilónicos eram também sacerdotes religiosos;

tinham a seu cargo por isso não só a função litúrgica e de devoção, como também a missão de interpretar a vontade,

intenções e mensagens dos espíritos celestes, ( deuses);

pois uma das formas de realização dessa tarefa de comunicação com os espíritos, era feita através da astrologia.

 

A astrologia babilónica foi sistematizada há cerca de 2.000 anos A.C.

Os mais importantes escritos sobre astrologia na babilónia datam do Sec XVI A.C.;

uma das mais importantes obras astrológicas encontra-se registada em 70 placas,

sendo que a obra de astrologia e horóscopos se chama « Enuma Anu Enlil».

 

A astrologia babilónica funcionava tanto através de um sistema de sinais e presságios

que indicavam a futura realização de um certo tipo de eventos,

assim como também consistia num estudo dos corpos celestes e da influencia que a sua disposição exercia

sobre certos eventos tantos pessoais como sociais.

A astrologia e religião babilónica professava a sua crença esotérica na concretização de duas praticas espirituais:

Um processo necromântico

Um processo astrológico – espiritual

Através do processo necromântico, os sacerdotes encontravam em contacto com o mundo dos espíritos através do sacrifício de animais. Acreditavam os babilónicos, (bem como a maioria das civilizações da antiguidade), que certos espíritos, (deuses), se identificavam com certos animais que lhes eram agradáveis ou traduziam muito da sua própria essência neste mundo; ora, o animal com o qual um certo deus se identificava era-lhe sacrificado; se o espírito aceitasse o sacrifício daquele animal, então aceitaria junto de si a alma do animal sacrificado, e falaria manifestando-se no corpo do mesmo, uma vez que o corpo não passa de um receptáculo para uma alma. Assim o espírito celestial faria revelar as suas mensagens no corpo do animal com o qual entrou em contacto, da mesma forma que também podia fazer inscrever os seus pensamentos ou vontades divinas nos corpos celestes.

Assim se chega ao processo astrológico:

Na astrologia babilónica, professava-se que os corpos celestes podiam permitir conhecer não só a dinâmica do mundo visível e físico, (auxiliando na previsão da mudança das estações, e logo nas colheitas, nos fenómenos atmosféricos,etc), como também podiam permitir conhecer a dinâmica do mundo invisível ou espiritual, assim como a influencia desse sobre o nosso mundo e as nossas vidas.

A astrologia babilónica reconhecia 5 planetas: Júpiter, Vénus, Saturno, Mercúrio e Marte.

Cada um destes planetas eram considerados como representações de 5 espíritos celestiais ou deuses, pelo que seria possível pela sua observação, calcular as dinâmicas, mensagens e influencia desses mesmos espíritos ou forças espirituais nas nossas vidas ou no nosso mundo.

Sublinhe-se que os corpos celestes não eram vistos nem entendidos como «deuses», ao contrário do que comummente se diz. Os corpos celestes eram antes entendidos como representações simbólicas de forças espirituais celestiais, que se podiam manifestar através da natureza, nomeadamente dos planetas. Os astrólogos e magos da antiguidade não eram por isso um grupo de ignorantes supersticiosos, ( ao contrario: eram reconhecidamente brilhantes astrónomos e matemáticos), e não confundiam o que é um espírito, como o que é um corpo celeste, ao contrario do que normalmente se afirma.

Na astrologia babilónica, os 5 planetas de reconhecida influencia sobre o nosso mundo, correspondiam aos seguintes espíritos celestes, ou deuses:

*      Júpiter/NibiruMaduk; deus dos deuses, dominador da magia branca

*      Vénus – Ishtar; deusa da fertilidade, amor, das conquistas e das vitorias

*      Saturno – Ninib; deus da agricultura e das curas mas também o «vento do sul»: o ciúme e a ira

*      Mercúrio – Nabu; deus da sabedoria e da escrita

*      Marte – Nergal; deus da guerra, destruição, pestilência, senhor do fogo e dos desertos

Também o Sol e a lua correspondiam a 2 divindades:

*      Sol- Shamash, o deus Sol e da justiça

*      Lua- Sin, a deusa lunar, senhora da astrologia e da magia

A «santa trindade» na religião babilónica era representada por Shamash, Sin e Ishtar, representando este o sol, a lua e a terra.

Era a actividades destes 7 corpos celestes e as suas relações entre si, que permitam entender a influência que as 7 entidades espirituais e celestes exerceriam sobre o nosso mundo físico.

Os babilónicos foram os primeiros a criar um calendário semanal,( fundamentado no Sol), e a dar nomes aos dias da semana, o que veio a indelevelmente influenciar a cultura da humanidade ate aos nossos dias.

Domingo- dia do Sol

Segunda feira- dia da Lua

Terça feira- dia de Marte

Quarta feira dia de Mercúrio

Quinta feira dia de Júpiter

Sexta feira dia de Vénus

Sábado – dia de Saturno

Ainda hoje em dia a definição dos dias das semanas criada pela astrologia e astrólogos babilónicos perdura nos nossos dias.

Ainda hoje, a astrologia e esoterismo encontram nestas fontes os meios de contacto com entidades espirituais.

A astrologia babilónica era uma astrologia de profundo sentido religioso, espiritual e necromântico, ao contrario do conceito da astrologia ocidental tal como hoje é entendida,

Tratava-se de uma pratica astrológica relacionada com as forças espirituais que influenciam a nossa existência, ao contrário da astrologia ocidental, mais fundamentada que é nas escolas astronómicas racionalistas.

 

 


Veja também:

 

Profetas e milagres

Profecias na historia da humanidade

Como realizar Magia Branca e Magia Negra

Origem da Kabalah

Teomancia, Gematria

Astrologia

Astrologia babilónica

Signos, Zodíaco

 



[VOLTAR a MAGIA NEGRA, MAGIA BRANCA.]